terça-feira, 13 de novembro de 2012

Doença ou possessão demoníaca?




 
Por Maurício Zágari

Quero começar este texto pedindo perdão. Pois estou tão transtornado com o que li em dois comentários deixados no mesmo dia aqui no APENAS que posso soar um pouco rude - embora esteja lutando contra minha natureza humana para ser manso nas minhas palavras. Há duas coisas que me tiram do sério, confesso: injustiças e pessoas que impõem jugos sobre o próximo que Deus não impõe - gente que julga irmãs por usar calça ou saia, que não perdoa quem Deus perdoou, que diz que se alguém não foi curado de uma doença foi por falta de fé... ou que acusa outros de estarem possessos por demônios. Isso mesmo. Fiquei horrorizado ao ler dois comentários sobre pessoas que tiveram de ouvir que estavam possuídas por demônios. A falta de amor e a ignorância de quem fez esse tipo de afirmação mostram o estado de analfabetismo bíblico e de ausência de discernimento em que se encontra grande parte da Igreja de nossos dias. Quero falar sobre isso, correndo o risco de irritar alguns e de provocar polêmica. Mas vale a pena o risco, em nome da verdade bíblica e do amor cristão.

Reproduzo aqui sem alterar uma vírgula o que o primeiro irmão escreveu. Note a agonia contida em suas palavras, causada pelo que ele ouviu (a bem da verdade, um esclarecimento: eu não sou pastor):

"olá amado Pastor, só fugindo um pouco do tema que o senhor postou, eu queria te fazer uma pergunta . Hoje eu fui numa loja evangélica atrás de um livro que falasse de doenças depressivas, ou mentais, não sei se é a mesma coisa, então o vendedor me indicou o senhor me garantindo que o senhor é muito bom e confiável, é que eu tenho uma irmã que é esquizofrênica, e muitas pessoas dizem que é possessão demoníaca, e as vezes isso deixa ela muito triste, ela é uma pessoa totalmente normal, mas a base de remédios, se ela não tomar ela entra em crise, queria saber sua opinião sobre isso. Esquizofrenia é possessão ou não, é muito importante pra mim."

Já vai longe o tempo em que se desconheciam transtornos mentais como a esquizofrenia. Hoje a psiquiatria entende bem essa e outras moléstias de origem cerebral, como síndrome do pânico, fibromialgia, EPT, TOC, depressão clínica e por aí vai. Embora em alguns casos não se saiba ainda a causa ou o mecanismo exato de funcionamento de tais distúrbios, a medicina humana que Deus nos deu por sua graça comum permite diagnosticar e tratar com uma considerável taxa de sucesso a maioria dessas patologias. No caso específico da esquizofrenia, estima-se que 1% da população mundial sofra desse mal.

Creio na existência de demônios. Creio em possessão demoníaca. Já vi pessoas endemoninhadas e, pelo nome de Cristo e seu amor, eu mesmo já expulsei demônios. Mas não é por isso que vou ignorar as descobertas da ciência e dizer que tudo é possessão. Essa é a resposta mais fácil, rápida e ignorante que há. Sempre desconfio. Recentemente preguei em certo lugar e, ao final do culto, um irmão me procurou. Saímos para beber alguma coisa e ele me contou estar com pensamentos de morte e um sentimento de opressão. Não tive nenhuma prova de que era algo de origem espiritual. Então oramos e recomendei a ele que buscasse seu pastor para avaliar essa possibilidade e que em paralelo fosse a um psiquiatra para fazer uma avaliação. Sendo uma ou outra causa, ele estaria coberto e bem amparado.

Meu pensamento e minha experiência me levam a uma prática simples: oremos. Se for um mal de causa espiritual, revelará sua presença e agiremos como Jesus agiu: "Cala-te e sai". Sem shows. Sem espetáculos. Sem alto-falantes. Sem berrarias. Sem câmeras de televisão. Sem expor ao vitupério público ou traumatizar ainda mais aquela pobre alma aprisionada, que tem de ser amada e cuidada. Prestamos tanta atenção ao demônio que nos esquecemos do ser humano que está sofrendo sob sua influência. Antes de pensarmos em poder temos de pensar em amor. Tendo isso na mente e no coração, expulsar aquela imundície da vida da pessoa ocorre naturalmente. Sem dar chance de falar muito: "Cala-te". E sai. Pronto. E, depois, é fundamental iniciar um discipulado com aquela vida. O exorcismo não é a última etapa, é a primeira. Pois mais do que ser liberto de demônios, importa caminhar com Cristo. Expulsar e largar pra lá não adianta nada.

Se na oração e em um eventual acompanhamento não houver nenhum indício de influência espiritual (seja opressão ou possessão), costumo recomendar à pessoa que procure um bom psiquiatra, para que faça um diagnóstico e inicie um tratamento. Já vi mais de uma dezena de "possessos" terem seus "demônios" expulsos por comprimidos e pílulas.

Lembro quando, alguns anos atrás, comecei a sentir tonteiras diárias. Após exames como ressonância, tomografia e eletroencefalograma, o neurologista diagnosticou um tipo leve de epilepsia, que causa tonturas e dores de cabeça. O tratamento: três anos tomando carbamazepina. Nessa época ouvi de um cristão que "não existe epilepsia, todo caso de epilepsia é na verdade possessão". Pois bem, depois dos três anos recebi alta e nunca mais senti nenhum dos sintomas: os neurotransmissores descompassados do meu cérebro estavam equilibrados e tudo ficou bem. Se fosse acreditar no que aquela pessoa disse, teria de admitir que a carbamazepina tem o mesmo poder que o nome de Jesus para expulsar demônios. Que tal?

O segundo relato veio de um jovem que estava, em suas próprias palavras, "numa aflição enorme, com dores no peito, deprimido e coisas do gênero". A razão? Mostrou para os pais um texto que escrevi sobre batalha espiritual (leia AQUI) e teve de ouvir deles que o que falei "é coisa do diabo" e que por isso ele "precisava de libertação". Segundo esse irmão, "meu pai me disse duas vezes que eu estava com o diabo no corpo de pensar isso que você diz no texto". Compreensivelmente assustado, o jovem concordou em ir a um "culto de libertação". Lá, segundo contou, na hora em que foram orar por ele o intercessor "chamou o inferno inteiro e repetia várias vezes: Eu sei que você está aí dentro desse rapaz, sai daí agora em nome de Jesus!! Nessa hora eu pensei: estou sendo liberto ou carregado com coisas ruins espiritualmente?". E desde aquele dia esse jovem, que estava bem, passou a se sentir mal, aflito, confuso, com dores e depressão.

Não preciso dizer o quanto me entristece, choca e abate ler relatos como esse. Você consegue sentir na sua pele a dor de um filho que ouve dos próprios pais que "tem o diabo no corpo"? Que jugo terrível foi posto sobre um jovem cristão simplesmente por ter uma visão teológica diferente da de outros irmãos. Por preferir crer na Bíblia em vez de nas doutrinas de demônios ensinadas por esses grupos de batalha espiritual que baseiam seus ensinos apócrifos em "revelações" de supostos ex-satanistas ou de demônios, feitas em sessões de exorcismo. Como se demônios fossem revelar as verdades do inferno, esses mentirosos. E os irmãos seduzidos por essas histórias deixam a Bíblia sagrada de lado e preferem acreditar em "guerreiros da luz" e "divinas revelações do inferno" - enormes absurdos do ponto de vista bíblico. Onde está a sã doutrina? Onde está o amor pelo próximo? Como crer que poder de Deus se manifesta independentemente do amor de Deus? Desculpem, estou realmente muito triste e abalado por essas histórias.

O que mais incomoda nesses relatos é que pessoas desinformadas, patologicamente místicas ou seguidoras desses grupos irresponsáveis de batalha espiritual acabam jogando legiões de demônios nas costas de pessoas normais ou de vítimas de doenças bioquímicas - demônios que simplesmente não estão lá. Fazem pessoas espiritualmente saudáveis crer que são possessas. Você consegue ter ideia do que sente alguém que ouve isso a seu respeito? Da sensação de desamparo, culpa e uma lista enorme de emoções negativas? Afirmações irresponsáveis como essas podem piorar o estado de saúde dos doentes, sem falar que, enquanto dez "obreiros" ficam berrando no ouvido do pobre coitado e sacudindo sua cabeça tentando expulsar um suposto demônio que não está lá, ele está deixando de ser tratado adequadamente. E sendo severamente traumatizado.

Quando falamos dos dons do Espírito mencionados em 1 Coríntios 12, muitos ficam salivando para profetizar, sobem o monte e fazem correntes e campanhas para receber dons de curar e por aí vai. Mas pouquíssimos pedem a Deus discernimento de espíritos. E, ao meu ver, é um dos dons mais necessários e mais ausentes da Igreja em nossos dias. Falta discernimento. Pior: falta bom senso.

Perdoe-me o tom chateado, por favor. Mas me ponho no lugar da irmã desse querido que escreveu o comentário acima e do jovem acusado de ter o diabo no corpo e a dor que sinto por eles é muito grande. Vitimada por uma enfermidade psiquiátrica e ainda por cima acusada de possessão demoníaca. Chamado de endemoninhado pelos próprios pais. Que jugo enorme! É muita falta de amor dizer uma coisa dessas para alguém. Mesmo que fosse o caso, não se deveria falar nada, mas orar e deixar o nome de Jesus fazer o resto, sem penalizar aquela alma mais ainda. São seres humanos, por Deus! Onde estão nossa compaixão e nossa graça!?

Vivamos com olhos espirituais abertos sim. O mundo espiritual existe, todos sabemos que nossa luta não é contra carne e sangue, que Jesus expulsou demônios e Satanás vive em derredor buscando quem possa tragar. Creio em tudo isso. Mas não podemos jamais deixar de lado a razão ou o coração. A ciência e a compaixão. As descobertas da medicina e as misericórdias com os que sofrem. Senão daqui a pouco estaremos novamente torturando epiléticos, afogando quem discorda de nossas crenças teológicas e queimando pessoas com síndrome de Down na fogueira achando que são bruxos e feiticeiros. Ou, quem sabe, duendes e fadas.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício

Fonte: Apenas

2 comentários:

  1. Olá Pr. Silas, Graça e Paz...

    Amado pastor, estou maravilhado com o seu texto, e posso falar deste assunto sem nenhuma ressalva, pois vivenciei este problema na minha casa. Tenho dois filhos, e o mais velho aos dezenove anos, estando prestando vestibular para engenharia,quando veio a sofrer uma grave crise nervosa, ha principio, não procuramos nenhuma ajuda medica, achamos que fosse coisa passageira, ao termino do curso "vestibular", mandamos que ele fosse para o interior do estado passar umas ferias com os parentes; mas, ele retornou pior, vendo vultos e ouvindo vozes. Mas, não demos muita importância; porém, ele tinha um colega em uma família evangélica, e, ao passar com eles um final de semana, creio que lá ele teve alguma crise, em que logo eles diagnosticaram como possessão maligna "demônios", neste período nós não seguíamos nenhuma orientação religiosa. Então esta família nos levou a uma igreja próxima a nossa casa, onde aceitamos ao Senhor Jesus, eu e toda a minha família "Oito pessoas" ou todo. Porém tudo que á principio parecia maravilhoso, a igreja, os irmãos, uma vida falando do amor de Deus, se tornou em um verdadeiro tormento, porque a igreja era do seguimento Pentecostal e acreditava que todas as doenças eram de procedência maligna. Meu filho começou a entrar em crise diárias, durante seis mês a minha casa foi invadida por todo tipo de exorcista, ungindo, queimando tudo que tivesse qualquer ligação com coisas espirituais, quase incendiaram a minha casa.Bem, infelizmente para nós, eles não conseguiram fazer nada pelo meu filho, chegaram a nos classificar como sendo uma família maldita que o diabo havia enviado para destruir a igreja deles. Saímos desta igreja, e fomos congregar em outra; durante dois anos tivemos a nossa vida voltada só para a libertação do nosso filho, participávamos de todas campanhas e cultos de libertação em muitas igreja, expulsavam demônios de todos os nomes e origens "legiões e castras", mas, nada adiantava o rapaz ia de mal a pior. Detalhe, eles quase sempre proibiam procurar ajuda medica. Tomamos uma decisão, fomos procurar ajuda medica. procuramos a orientação de um psiquiatra, apos feitos os exames, foi comprovado que o meu filhos havia desenvolvido um processo de esquizofrenia cronica, muito resistente aos tratamento. Não foi fácil,passamos por vários psiquiatras e psicólogos. Já se passaram Treze anos de muita luta, paciência e muito amor, nunca internamos o nosso filho. Hoje Deus colocou um excelente Neurologista no nosso caminho, o tratamento tem sido maravilhoso, ele ainda continua em tratamento, graças a Deus já a alguns anos não da mais crises nervosas. Só para registar, o meu filho voltou ao estudos,e um dos guitarrista da nossa igreja, para glória do nosso Deus.
    Deus te abençoe a sua vida e o seu ministério...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Graça e paz Pr. Scofield.
      Muitas vezes a igreja, que deveria ser um lugar de conforto, se torna um lugar de pessoas "doentes espiritualmente falando".
      Entendo um pouco do que o irmão passou e tem passado, pois a minha esposa sofre de depressão e muitas vezes as pessoas nos falavam que aquilo era demônio. Sofremos muito preconceito até o dia que resolvi sair da igreja que pastoreava para livrar a minha esposa de tanto sofrimento naquela igreja. Hoje estamos em outro ministério vivendo uma vida bem mais tranquila, mas ainda lutando contra essa doença, que hoje está sob controle graças a Deus.
      É muito triste ver e saber que ainda hoje existem pastores e outros líderes que veem certas doenças como possessão demoníaca e não tem o discernimento espiritual para ver que não passa de uma doença e que a pessoa precisa de ajuda médica e não de exorcismo.
      É muito triste esse quadro.
      Fique na Paz e muitas bênçãos para o seu filho!
      Pr. Silas Figueira

      Excluir