quarta-feira, 12 de maio de 2010

Qualificações dos Presbíteros: Não Dado ao Vinho

Juliano Heyse (editor)

É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho 1 Tm 3:2-3

Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de Deus, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho Tt 1:7

Introdução

Esta qualificação aparece nas duas listas. O termo grego é um só e identifica uma pessoa que tem uma relação especial, idolátrica e de dependência com o vinho. Vejamos os comentaristas.

Grego

Em 1 Timóteo e Tito παροινοζ - paroinos

Strongs - dado ao vinho, bêbado

Rienecker e Rogers - alguém que senta-se por muito tempo com o seu vinho, escravo da bebida, dado ao vinho

Outras versões

Outras traduções do mesmo termo em português:

Almeida Revista e Atualizada (ARA)não dado ao vinho / não dado ao vinho
Nova Versão Internacional(NVI)não deve ser apegado ao vinho / não apegado ao vinho
Almeida Revista e Corrigida(ARC)não dado ao vinho / não dado ao vinho
Nova Tradução na Linguagem de Hoje(NTLH)não pode ser chegado ao vinho / não deve ser chegado ao vinho
Tradução Brasileira(TB)não dado ao vinho / não dado ao vinho

Comentários

Broadman – (-)

D. A. Carson Então, versículo três, "não dado a muito vinho". Isso não significa só estar livre de embriaguez mas também livre da dependência. O servo de Jesus Cristo não deve ser escravo de qualquer outra coisa.

Jamieson, Fausset e Brown (Tm) O grego inclui além disso, "não dado à violência", conduta violenta em relação a outros, que provém de ser dado ao vinho.

João Calvino – Pela palavra παροινοζ que é usada aqui, os gregos denotam não somente a embriaguez, mas qualquer intemperança em beber vinho avidamente. E, realmente, beber vinho excessivamente não só é muito impróprio em um pastor, mas geralmente traz consigo muitas coisas ainda piores; como brigas, atitudes tolas, conduta imoral e outras coisas que não é necessário descrever. (...) A interpretação correta é a de Crisóstomo de que homens com uma disposição de bebedice e ferocida deveria ser excluídos do ofício de bispo.

John Gill Alguém que não senta para beber, ou que está continuamente bebendo e é imoderado no uso da bebida; caso contrário é permitido que pessoas em tal ofício bebam vinho, e às vezes absolutamente necessário; veja 1 Tm 5:23. Significa alguém que não é dado a muito vinho, como em 1 Tm 3:8; não é viciado ou um seguidor do vinho; a versão siríaca diz: "que não transgride em função do vinho", ou vai além dos limites devidos no seu uso, que não é imoderado nisso; a versão arábica diz: "não insolente por causa do vinho", já que alguém que está aquecido com ele é feroz e furioso e encrenqueiro e briguento, e freqüentemente muito perverso e ofensivo; e este sentido é seguido por alguns.

John MacArthur (Tm) É mais do que uma mera proibição contra a bebedice. Um presbítero não pode ter uma reputação como um bebedor; seu julgamento nunca pode ser enevoado pelo álcool (cf. Pv 31:4,5; 1 Co 6:12), seu estilo de vida deve ser radicalmente diferente do mundo e levar outros à santidade, não ao pecado (Rm 14:21). (Tt) Aplica-se a beber qualquer bebida alcoólica em qualquer forma que embote a mente ou subjugue inibições (cf. Pv 23:29-35; 31:4-7). Por aplicação, também indicia qualquer outra substância (por ex., drogas) que obscureça a mente.

Matthew Henry (Tm) Os sacerdotes não deveriam beber vinho quando iam ministrar (Lv 10:8-9), a fim de que não pervertessem a lei. (Tt) não há maior reprovação a um ministro do que ser um bebedor de vinho, alguém que ama isso e se concede, desta forma, liberdade imprópria que continua com o vinho ou a bebida forte até que o inflame. O uso apropriado e moderado, como em outras boas criaturas de Deus, não é irregular. Usa um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas freqüentes enfermidades, disse Paulo a Timóteo, 1 Tm 5:23. Mas o excesso nisso é vergonhoso em todos, especialmente em um ministro. O vinho arrebata o coração, transforma o homem em um selvagem. Aqui o mais apropriado é aquela exortação do apóstolo (Ef 5:18), E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução; mas enchei-vos do Espírito. Aqui não há excesso, mas no com o anterior muito facilmente pode haver. Tome cuidado, portanto,para não ir muito perto da borda.

New American Commentary – (Tm) A primeira qualificação negativa exige do líder eclesiástico controle sobre sua sede dele por álcool. A palavra descreve alguém que é viciado em vinho. Não proibe uso medicinal de álcool (1 Tim 5:23). Em nossa sociedade americana saciada da sede por álcool, a prática de abstinência total pelos cristãos poderia restringir os efeitos destrutivos que o alcoolismo trouxe a nós. (Tt) Paulo desqualifica um bêbado de servir como um presbítero. O presbítero "não deve ser dado a muito vinho" (tradução do autor). Até mesmo levando em conta outros comentários de Paulo relativos ao abuso de vinho, a pessoa não pode ser dogmática de que ele requer abstinência total no presbítero. Porém, considerando as qualidades viciadoras do álcool, qualquer cristão (presbítero ou não) deveria considerar seriamente as declarações de Paulo relativas às responsabilidades do "forte" em relação ao "fraco". Permanecer inocente em qualquer situação que gera ofensa deveria ser a regra dominante com respeito a qualquer prática questionável permitida contudo não encorajada pela Bíblia.

William MacDonald (Tm) A expressão "dado ao vinho" significa viciado em bebidas alcoólicas. O bispo não deve ser um homem que se entrega ao vinho e provoca brigas e escândalos. (Tt) Em nossa cultura, isso parece tão elementar que dificilmente precisaria de menção. Mas devemos lembrar que a Bíblia foi escrita para todas as culturas. Em países nos quais o vinho é usado pelos cristãos como bebida comum, há o risco de abuso e de conduta desordeira. Destaca-se aqui a falta de autocontrole.

A Bíblia distingue entre o uso do vinho e o abuso dele. O uso com moderação como bebida era permitido quando Jesus transformou água em vinho nas bodas de Caná (Jo 2:1-11). O uso para propósitos medicinais é receitado por Paulo a Timóteo (1`Tm 5:23; cf. tb. Pv 31:6). O abuso do vinho e da bebida forte é condenado em Provérbios 20:1; 23:29-35. Embora a total abstinência não seja exigida literalmente, há uma situação na qual se requer moderação; por exemplo, quando a ingestão de vinho ofenderia um irmão mais fraco ou levaria a tropeço (Rm 14:21). Essa é a principal consideração que leva muitos cristãos nos Estados Unidos a se absterem completamente do álcool.

Com relacão ao presbítero, a questão não é a total proibição do vinho, mas seu uso excessivo, que conduz a brigas.

Conclusão

O perigo do vinho e da bebida alcoólica em geral está sempre presente. O seu uso não é condenado pela Bíblia, mas ele tem potencial para tornar-se facilmente um ídolo. Em nossa sociedade altamente química, em que o uso de drogas é corriqueiro, o uso da bebida alcoólica é generalizado e extremamente facilitado. Os comentaristas mais antigos, como Calvino, Gill e Henry não são tão contundentes, mas o New American Commentary, MacArthur e MacDonald são mais exigentes e chegam a insinuar a importância da abstinência. Nenhum deles ousa dizer que a abstinência é exigida, mas usam diversos argumentos que conduzem a ela.

O que podemos concluir é que qualquer homem que tem problemas com bebida, ou qualquer outro tipo de substância viciadora e/ou entorpecente (como aponta MacArthur) seja por dificuldade de se controlar ou por dependência, não é adequado para o ofício de presbítero.


Fontes

Comentário Bíblico Popular – Novo Testamento – William MacDonald – Ed. Mundo Cristão
The Broadman Bible Commentary – Broadman Press
The MacArthur Bible Commentary – Thomas Nelson Publishers
Bíblia OnLine 3.00 – SBB
Definindo o que são presbíteros – artigo de D.A.Carson - http://www.bomcaminho.com/dac001.htm
The New American Commentary – Broadman Press
Chave Linguística do Novo Testamento Grego – Ed. Vida Nova

Tradução (onde necessário): Juliano Heyse

Nenhum comentário:

Postar um comentário