quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Os supostos dois erros de Ágabo


Por Pr. Wellington Mariano

As passagem em discussão:

“E, demorando-nos ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, por nome Ágabo; e, vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo e, ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o Espírito Santo: Assim ligarão os judeus, em Jerusalém, o varão de quem é esta cinta e o entregarão nas mãos dos gentios” (At. 21.10-11).

A falsa acusação:

A de que Ágabo teria errado ou se equivocado em sua profecia no sentido de que Paulo não foi amarrado pelos judeus e de que Paulo não foi entregue pelos judeus aos romanos.

Primeiro, antes de mais nada, temos que deixar bem claro que a posição que defende os supostos dois erros da profecia de Ágabo é de origem de dois teólogos famosos e conhecidos no meio acadêmico, D. A. Carson e Wayne Grudem.

Essa idéia dos supostos dois erros na profecia de Ágabo é defendida por Grudem na seguinte obra: The Gift Of Prophecy in the New Testament and Today (“O dom de Profecia no Novo Testamento e Hoje”) [Wheaton: Crossway, 1988, 2000], p.18 e também por Carson em Showing the Spirit: A Theological Exposition of 1 Corinthians 12-14, p.97-98 (“Revelando o Espírito: Uma Exposição Teológica de 1 Coríntios 12-14, p.97-98”).

Ágabo, embora citado no caso de sua profecia em relação a Paulo, não era uma pessoa nova e já havia profetizado anteriormente com perfeição, como vemos em Atos 11.27 e 28: “Naqueles dias, desceram profetas de Jerusalém para Antioquia. E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo Espírito, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César”. Esta passagem serve para apresentar as credenciais de Ágabo, primeiro, ele é descrito como profeta e tem sua profecia perfeitamente cumprida.

Note ainda que, em relação ao que Ágabo profetizou, Paulo já estava, pelo Espírito, sendo alertado antes, conforme ele mesmo descreve em Atos 20.23-23: “E, agora, eis que, ligado eu pelo Espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que lá há de me acontecer, senão o que o Espírito Santo, de cidade em cidade, me revela, dizendo que me esperam prisões e tribulações”.

Vamos então começar a resolução das falsas acusações de ordem inversa, primeiro trataremos da segunda acusação, a de que Paulo não foi entregue aos romanos pelos judeus.

Não existe ninguém melhor e mais qualificado para responder a esta questão do que o próprio Paulo. Paulo, aos descrever os acontecimentos de sua prisão em Jerusalém, diz o seguinte em Atos 28.17: “E aconteceu que, três dias depois, Paulo convocou os principais dos judeus e, juntos eles, lhes disse: ‘Varões irmãos, não havendo eu feito nada contra o povo ou contra os ritos paternos, vim, contudo, preso desde Jerusalém, entregue nas mãos dos romanos’”. O próprio Paulo disse que foram os judeus que o haviam entregado para os romanos, agora, se Paulo, que viveu e passou por aquela experiência não souber o que ele estava falando, então quem sabe? Assim, desmitificamos a falsa e pretensiosa exegese de Grudem e Carson que, defensores do cessacionismo, tentam desqualificar Ágabo.

Resolvemos o suposto segundo erro de Ágabo, mas e quanto ao primeiro?

Bom, aqui temos algumas possíveis soluções, sendo a primeira a de que a palavra “amarrar” possui significados mais amplos, tal como levar preso, essa definição, por si só já seria suficiente para acabar com a questão, mas ainda acrescentamos que Carson diz que não foram os judeus que prenderam Paulo, e sim os romanos, mas Carson não diz de que maneira ou de qual fonte ele conseguiu tal informação, pois o texto bíblico diz que os romanos prenderam a Paulo, mas o texto não diz que os judeus não o prenderam. Lucas em nenhum momento diz que os judeus “não” prenderam e/ou amarraram a Paulo, pois certamente Paulo não se voluntariou para ser preso, afinal a Bíblia diz que os judeus arrastaram a Paulo no alvoroço, que eles estavam ferindo a Paulo e que estavam tentando matá-lo (At. 21.30-32)

Se não bastasse tudo o que já foi dito, o que Grudem e Carson exigem no cumprimento da promessa de Ágabo é um literalismo rígido tal que se o mesmo padrão de literalidade fosse exigido nas profecias veterotestamentárias, algumas delas não sobreviveriam, como por exemplo, o que faremos com a passagem de Malaquias 4.5: “Eis que eu vos envio profeta Elias, antes que venha o grande o dia grande e terrível do Senhor”? Elias veio? Se exigirmos a literalidade rígida e imutável de Grudem e Carson, muitas profecias não subsistirão.

Portanto, termino com uma frase de Thomas R Edgard: “Ágabo não cometeu erros, ao contrário, se existem erros, os erros são daqueles que acusam Ágabo de erro”.

Bibliografia:

http://www.gfcto.com/2007/09/an_evaluation_of_wayne_grudems.php (Acesso dia 25/05/2011)

Edgard Thomas R., Satisfied by the promise of the Spirit, Kregel Resources, 1996, p.81-83.

11 comentários:

  1. Está perfeita a explicação, eu não sabia desta acusação de homens que não tem a revelação do Espírito Santo, mas têm nome de fama na história da vida, o que parece dar autenticidade do que falam. Na verdade quando li a tal acusação, na mesma hora entendi que, amarrar, ser entregue, tem seus sentido diversos, como a palavra em Eclesiastes 1: a terra permanecerá para sempre. É o mesmo que: serão felizes para sempre, no ato do casamento, ou seja, até ao fim. Glórias a Deus por tua vida caro irmão comentarista, Deus te abençoe com a paz do Senhor Jesus.

    ResponderExcluir
  2. Graça e paz Pr. Everaldo.
    Devemos os grandes teólogos, mas devemos lê-los à luz da Bíblia.
    Fique na Paz.
    Pr. Silas Figueira.

    ResponderExcluir
  3. Se ágabo era profeta de Deus,porque diz as escrituras em lucas16:16 que as leis e os profetas duraram até João.

    ResponderExcluir
  4. Graça e paz Fabiano.
    A Lei, que começou com Moisés, terminava com João Batista e uma nova dispensação era agora inaugurada, a dispensação estava mudando e João Batista era o último dos profetas que viveram sob a lei. Ágabo era profeta, mas que trazia revelções a respeito de Jesus, ou seja, da graça de Cristo que havia sido inaugurada por Jesus.
    Fique na Paz!
    Pr. Silas Figueira

    ResponderExcluir
  5. Excelente, Deus continue lhe concedendo esse verdadeiro "fervor" apologético, concordo piamente com você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! Obrigado pelo comentário.
      Que Deus o abençoe.
      Fique na Paz!
      Pr. Silas Figueira

      Excluir
  6. Graça e paz Ebenezer.
    É bom vê-lo por aqui.
    Fique na Paz!
    Pr. Silas Figueira

    ResponderExcluir
  7. Respostas
    1. Graça e paz amado.
      Fico feliz em saber que esta palavra o tenha abençosdo.
      Fique na Paz!
      Pr. Silas Figueira

      Excluir