quarta-feira, 18 de abril de 2018

Seitas e Heresias – Como identificar uma Seita


Por Marina A. Ferreira

Como saber se a religião que seguimos ou a igreja que frequentamos não é uma seita? 

Como identificar um grupo religioso que prega heresias e quais podem ser as consequências de se permanecer no engano? 

Abordaremos quatro caminhos seguidos pelas seitas e traremos uma resposta na bíblia para cada um deles com base nos cinco pilares da fé cristã (as 5 solas da reforma protestante). 

As seitas são grupos religiosos estabelecidos a partir de mensagens particulares que não estão na Bíblia. A maioria dos líderes de rituais testemunha por meio de visões, de guias espirituais, de revelações ou de vozes do céu audíveis que revelam a verdade somente a eles. Sua mensagem é de característica apocalíptica e são normalmente apresentadas como "inspiradas". 

Os líderes das seitas são quase sempre autoritários. Eles, geralmente, incentivam seus seguidores a adotar um estilo de vida legalista e uma mentalidade autoritária, levando a um ponto de vista exclusivo do grupo. 

Muitas pessoas sofreram lavagem cerebral e outras táticas de controle nessas seitas. Há queixas de extorsão, de nutrição pobre, de falta de sono, de bombardeio auditivo, de escravidão, abusos físicos e exploração sexual. 

As seitas são persuasivas, oferecem prazer ou recompensa aos seguidores. Seus líderes são aparentemente generosos e cuidadosos. 

O crescimento de membros das seitas é um reflexo da falha da igreja suprir essas necessidades de modo genuíno e completo através do evangelho. 

A importância do tema 

E por quê esse assunto é tão importante? Simplesmente porque ele pode definir o seu destino eterno (Pv 16.25). 

A Bíblia é o nossa base para entender o mundo físico e principalmente o mundo espiritual (Jo 1.18/Jó 1:6-12). Se não fosse a Bíblia nos revelar como o mundo espiritual funciona, seria impossível saber o que é ou não é verdade (Jo 17.6-19, principal verso 17). 

Afinal, qual seria nossa fonte? As visões, os sonhos ou as experiências que outras pessoas tiveram? (Cl 2.18, Ez 13.3-9). Como saber se a pessoa está falando a verdade ou não? (Jr 17.5). Se a Bíblia não for nossa fonte de autoridade (Mt 5.18), tudo fica muito relativo. 

E por que temos que ter este cuidado? Será que alguém teria interesse em mentir ou enganar o homem a respeito do mundo espiritual? Com toda certeza existe um grande interesse, tanto por parte do homem (2Pe 2.1-3), como e principalmente por parte do diabo (Jo 8.44, 2Co 11.3). 

Só desmascaramos a mentira através da Bíblia (Hb 4:12-13). Portanto, se você ainda não crê que a Bíblia é a perfeita Palavra de Deus (2Pe 1:20-21), estas palavras não são para você. 

Heresia 

Partindo deste princípio, consideramos como heresia todo ensino que distorce o padrão que Deus revelou em sua Palavra (At 13.10, 1Tm 1.3), ou seja, um ensinamento não precisa descartar totalmente a Bíblia para ser considerado como uma heresia, basta que ele contrarie ou distorça uma única doutrina bíblica obrigatória (Ef 4.14, 2 Tm 2.18). 

Doutrina obrigatória, significa algo que é inquestionável e não pode ser rejeitado de forma alguma (Mt 24:35), já a heresia abala gravemente os fundamentos bíblicos e deve ser completamente rejeitada (1 Tm 6.3-5). Existem doutrinas bíblicas que não são obrigatórias, conhecidas como posições ou linhas teológicas. 

Um exemplo disso é em relação à escatologia (estudo das coisas futuras). Alguns creem que o arrebatamento e a volta de Cristo (1Ts 4.16-17, Ap 1.7) acontecerão ao mesmo tempo, outros creem que são eventos distintos, primeiro o arrebatamento, depois a volta de Cristo. 

Como uma posição é contrária a outra, alguém está errado, porém, nosso foco aqui não são linhas teológicas, mas sim as seitas e heresias. 

Todo grupo religioso ou ideológico que prega, ou segue aquele que prega heresias, é uma seita (2 Tm 4.3-4). 

A Bíblia alerta que devemos nos manter firmes na Palavra (1Co 15.1-2, 2Pe 1.19) e tomar cuidado com falsos mestres, pois eles introduzem de maneira secreta e dissimulada heresias destruidoras ao Evangelho (2Pe 2.1). Não podemos considerar que uma mensagem é verdadeira somente porque a pessoa é inteligente e se expressa bem (1Co 1.18-21) ou porque ela vem acompanhada de milagres (Mt 24.24). A Bíblia diz que o próprio Satanás se disfarça de anjo de luz (2 Co 11.4-15) e que produz o engano até mesmo com sinais sobrenaturais (2Ts 2.9-12). 

Nossa segurança está na Bíblia (Tt 1.9), e se por um lado fica fácil identificar uma seita quando ela ignora completamente Bíblia, fica complicado identificar uma que se utiliza da Bíblia (2Co 11.13, 2Jo 1.9-11). 

Como identificar uma seita 

O método mais eficiente para se identificar uma seita é conhecer quatro caminhos seguidos por elas, o da adição, da subtração, da multiplicação e o da divisão. É possível identificar uma seita através das quatro operações matemáticas. 

Adição (+) 

O grupo adiciona algo à Bíblia. Sua fonte de autoridade não leva em consideração somente a Bíblia. 

Uma seita geralmente possui outros livros como inspirados e que possuem autoridade igual ou até superior a Bíblia. Muitas vezes utilizam a Bíblia como se fosse um livro de consulta e afirmam que só é possível entender a Bíblia através da sua tradição religiosa, ou seja, a tradição se torna mais importante que a própria Bíblia. 

E por que não podemos adicionar nada à Bíblia? 

· Sola Scriptura (somente a Bíblia) 

Porque a Bíblia é a única fonte escrita da revelação divina (2Pe 1.21, Ap 22.18-19). A Bíblia, sozinha, ensina tudo que é necessário para nossa salvação, é o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado (2Tm 3.15-17). A Bíblia não contém a Palavra de Deus, a Bíblia é a Palavra de Deus, e por isso, não contém erros. (Sl 119.160; Sl 12:6; Sl 19.7). A Bíblia traz todas as informações necessárias para que uma pessoa saiba que sem Jesus não há salvação (At 4.12, 1Co 3:11). Deus jamais trará uma nova revelação que seja independente ou que contrarie o que está exposto na Bíblia (Gl 1.8). 

Subtração (-) 

A seita subtrai algo da pessoa de Jesus. 

Algumas seitas vêem Jesus como um homem bom , que morreu como prova de amor, outros o vêem como um grande um profeta ou apenas mais um fundador de religião, outros o vêem como médium ou um espírito evoluído, e os mais sutis e, consequentemente, os mais perigosos, são os pseudocristãos, que subtraem algo da natureza de Jesus, tanto da natureza humana, dizendo que Ele nunca teve um corpo como o nosso (2Jo 1.7), como principalmente da natureza divina, muitas vezes dizendo que Jesus é ser criado, que Jesus é um anjo ou um deus inferior. 

E por que faz toda a diferença você saber quem realmente é Jesus? 

Porque a Bíblia ensina que Jesus é Deus (Jo 1.1). Sendo assim, não dá pra comparar Jesus com outros seres humanos ou mitológicos, nem mesmo com os anjos (Hb 1.3-4). A Bíblia atesta a autêntica divindade de Cristo (onisciência (Jo 16:30), onipotência (Ap 1.8), onipresença (Mt 28:20) e eternidade (Is 9.6); e também a autêntica humanidade de Jesus, pois nasceu como homem (Lc 2.6-7), cresceu como homem (Lc 2.52), sentiu sede (Jo 19.28), fome (Mt 4.2), comeu e bebeu (Mt 11.19), dormiu (Mt 8.24) etc. 

· Sola Christus (somente Cristo) 

Nossa salvação é realizada unicamente pela obra mediadora do Jesus Cristo (1Tm 2.5-6). O Deus Filho que se fez carne (Jo 1.14), tornou-se em tudo semelhante a nós (Hb 2.17), porém, sem pecado (Hb 4.15). Morreu na cruz levando sobre si nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou fisicamente dentre os mortos (1Co 15.3-4, Lc 24.39). Depois disso Ele subiu aos céus, assentou-se a direita de Deus Pai (1Pe 3.22) e retornará no futuro para julgar a humanidade (Rm 2.16, 2Tm 4.1) e estabelecer Seu reino (Ap 11.5). 

Por isso, se a religião que você segue subtrai algo da pessoa ou da obra de Cristo, fica esperto(a) você pode estar em uma seita. 

Multiplicação (x) 

A seita afirma que crer em Jesus é importante, mas não é tudo. Eles multiplicam as formas pelas quais as pessoas podem ser salvas. 

Para as seitas, a salvação não é pela graça de Deus, por meio da fé. Elas pregam a salvação pelas obras. Algumas ensinam que Jesus simplesmente abriu o caminho, e o que o restante é com o homem. Que nós temos que trabalhar arduamente com o fim de obter nossa própria salvação. 

Outras pregam que a vida eterna só será concedida aos que guardarem a lei e aos que cumprirem os mandamentos do Antigo Testamento. 

Algumas negam a existência do pecado (1Jo 1:8) e outras negam a eficácia do sangue de Cristo para cancelar nossos pecados, mesmo esta sendo esta a mensagem central da Bíblia (Ef 1:7-10). 

E por que isso é extremamente perigoso? 

· Sola Gratia (somente pela Graça) 

A Bíblia declara que a salvação é pela graça, não por obras, não vem de nós, é dom de Deus (Ef 2.8-9). O ser humano nasce morto espiritualmente (Rm 5.12), sendo escravo do pecado (Jo 8.34) e é resgatado apenas pela graça de Deus (Tt 2.11). A salvação não é obra humana. A graça de Deus em Cristo não só é necessária, como é a única causa eficaz da salvação (Tt 3.4-6). As boas obras devem ser praticadas como consequência da nossa salvação (Ef 2.10). E não para sermos salvos. 

Divisão (÷) 

O grupo divide o mérito da salvação de Deus entre Jesus e a sua organização religiosa. 

Neste caso, desobedecer à organização ou à igreja equivale a desobedecer a Deus. Eles pregam que não existe salvação fora do seu sistema religioso. 

Quase todas as seitas pregam isso, sobretudo as pseudocristãs, que se apresentam como a restauração do cristianismo primitivo que, segundo elas, se afastou dos verdadeiros ensinos de Jesus e que, numa determinada data, seu grupo apareceu por vontade divina para restaurar o que foi perdido. Daí a ênfase de exclusividade. Já outros pregam que todas as religiões são boas, contudo somente a sua será responsável por unir todas as demais. 

E por que isso é uma heresia? 

Porque a salvação é individual, o pecador é salvo quando se arrepende (At 3.19) e aceita a Jesus como seu único e suficiente salvador (Jo 1.12, Rm 10.9-10). Quando ele entrega sua vida a Jesus (2Co 5.17). E isso não é mérito de uma instituição religiosa. O ladrão arrependido da cruz, não precisou ser membro de nenhuma religião pra ser salvo (Lc 23.43). Por isso, ensinar que uma organização religiosa possa salvar é pregar outro evangelho (2Co 11.4), e tirar de Jesus a sua exclusividade de nos conduzir ao Pai (Jo 14.6). 

· Sola Fide (somente pela Fé) 

Nossa salvação se dá somente pela graça, somente por intermédio da fé, somente por causa de Cristo. A fé em Jesus Cristo é o único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus (Rm 3.21-24). 

· Soli Deo Gloria (somente a Deus a glória) 

A salvação vem de Deus e é realizada por Deus, por isso a glória é toda Dele (1Co 1.29-31), não do homem nem de uma religião. 

Conclusão:Uma seita podem comprometer completamente o que você pode receber de mais precioso na sua vida, que é a sua salvação (2Tm 2.15-19). 

A recomendação é que você procure conhecer melhor as doutrinas ensinadas na sua religião (2Pe 3.15-17), talvez você nem saiba que a igreja que você frequenta defende heresias (Jd 1.3-4) e que, aos olhos de Deus, você faz parte de uma seita (At 17.30-31). 

LEITURA E REFLEXÃO 

ROMANOS 10.9-10 e MATEUS 7.21-23

terça-feira, 6 de março de 2018

A estupidez do pecado


Por Kevin DeYoung

Os Puritanos costumavam falar sobre a excessiva influência do pecado. E eles estavam certos em fazê-lo. O pecado é um insulto hediondo a um Deus santo. É sem lei, traidor, rebelde.

Também é muito burro.

Todos que conhecem a Bíblia, pessoas ou conhecem seu próprio coração, sabem que isso é verdade: o pecado nos torna estúpidos.

Pense no Jardim do Éden. Você literalmente vive no paraíso, e você ouve um sussurro de cobra e algo sobre uma fruta saborosa. Por que arriscar?

Ou Davi e Batseba. Você é o rei pelo amor de Deus. Você tem tudo. Você viu o Senhor abençoar até suas meias desde que você era um menino. E você vê uma garota bonita se banhando? E, em seguida, tente cobrir seus rastros com um pecado enganador após o outro?

O filho pródigo é outro exemplo clássico. Ele poderia ter tido uma boa comida, um calor familiar e um teto sobre a cabeça. Mas ele ficou ganancioso, detonou sua parte da herança e acabou com os porcos.

Ou o que dizer do ladrão na cruz (o mau) que não consegue pensar em nada melhor para fazer com seu último suspiro do que debochar de outro “criminoso” moribundo?

E há também Ananias e Safira que se matam por uma mentira tola sobre o quanto eles conseguiram por sua propriedade. Que desperdício.

O pecado faz de nós estúpidos.

Quando pensamos racionalmente, podemos ver a loucura do pecado. Por que alguém descarta um sustento, uma família ou uma reputação para um rolo de 30 minutos no feno? Que bem fará buscar vingança e se sentir satisfeito por uma tarde, se isso significa colher um vendaval de consequências por décadas? Por que nós continuaríamos bebendo, dizendo a nós mesmos que é só com moderação, se sabemos que mil coisas ruins podem acontecer se sairmos novamente dos trilhos? Por que flertamos com um homem casado? Por que acompanhar a mulher até o quarto dela? Por que assistir esses canais no quarto do hotel?

Infelizmente, já vimos isso antes. De amigos e familiares. Talvez de um pastor confiável ou colega do ministério. É mais fácil ver nos outros – a defensiva, a mudança de culpa, a desculpa, o absurdo de trocar décadas de fidelidade por minutos de insensatez. Mas o que se é claro quando observado nos outros pode ser difícil de detectar em nós mesmos. Assim como o proverbial pedaço de alface nos lábios, podemos ser os últimos a perceber o quão estúpidos nos tornamos por causa do pecado.

Podemos pecar em serenidade por um tempo. Mas Deus não pode ser zombado para sempre (Gálatas 6:7). Nossa loucura será manifestada. Eventualmente, suas palavras nos alcançarão (Zacarias 1:6).

Então, arrependa-se, diz o profeta (Zacarias 1:6). Deixe-nos passar da tentação antes que seja tarde demais. Todos nós – me incluo – escondemos a Palavra em nossos corações, ou, melhor ainda, dizemos a um amigo: “Por favor, diga-me quando eu estiver sendo estúpido e, se eu não acreditar em você, lembre-me de que eu acredito em você agora.”

E se alguma vez nos acharmos assentados entre os suínos, lembremos que o Pai está pronto para que voltemos para casa. Com os braços abertos, um abraço caloroso e uma festa de alto nível.

Quando nos achegarmos à sensatez e deixarmos de lado a estupidez do pecado.

Traduzido por Anderson Rocha

Fonte: NAPEC